O Grão de Mostarda

By | 30 de setembro de 2021

1 – Há em nós um mistério. É o maior dos mistérios. É o mistério das sementes. Em nós estão germinando milhares de entidades que nos ajudam e nos prejudicam. Todas elas semeadas pelo mental, através do emocional. E vivemos cultivando sementes de alegria, de tristeza, de rancor, de tolerância. E essas sementes nos tornam um canteiro, como uma horta ou jardim, que precisa de um jardineiro.
Hoje falaremos, não apenas desta infinidade de sementes plantadas por nós, que todos os dias geram algum fruto que nos agrada ou desagrada. Falaremos de um grão especial, citado por Jesus.
Mas por que ele nos fala do grão de mostarda? Ele diz que não conseguimos expulsar os demônios, nossos demônios, isto é, nossa sombra, nossa ignorância, porque não temos fé do tamanho de um grão de mostarda.
O que isto pode significar para nós, que possuímos tantas sementes plantadas em nosso campo emocional, que nem sempre é um jardim, mas uma plantação de espinheiros?


2 – Que semente é essa? Pequenina – e que é mais poderosa do que todas as outras? Na simbologia esotérica é a glândula pineal. Recorremos a H. P. Blavatsky, em seu Glossário Teosófico: “Glândula pineal – Também chamada de “Terceiro Olho”. É uma pequena massa de substância nervosa, cinza-avermelhada, do tamanho de uma ervilha, aderida à parte posterior do terceiro ventrículo do cérebro. É um órgão misterioso, que, em outros tempos, desempenhou papel importantíssimo na economia humana. Durante a terceira Raça e no início da quarta, existiu o Terceiro Olho, órgão principal da espiritualidade no cérebro humano, local do gênio, o “Sésamo” mágico, que, pronunciado pela mente purificada do místico, abre todas as vias da verdade para aquele que sabe usá-lo.”
Agora entendemos que o “grão de mostarda é a glândula pineal. É o nosso santuário. Recuperando sua função espiritual em nosso plano, é que vamos transpor o portal do limite; é por ela que vamos buscar todo o controle sobre o nosso jardim emocional.
“As aves se aninham em seus galhos”, diz Jesus. Isto é, os galhos são os raios de luz, e as aves são os anjos e deuses nos visitando em divinas inspirações. Esta é uma das maiores revelações para a libertação do ser humano.
Vamos nos preparar, portanto, para o estalar da divina semente, abrir caminhos para a Sabedoria, desabrochar em nosso coração o portal da cordialidade, da pacificação, do entendimento entre povos. Basta cada um de nós liberar um fragmento de luz deste grão interior, e estará finalmente aberta a porta para a tão sonhada felicidade! (Maximo Ribera)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.