Decálogo da Cordialidade

Ilustração: Luiz Goulart

1. Não tente mudar o temperamento de ninguém;

2. Aprenda a esperar, sem alimentar com a ansiedade o problema existente;

3. Não conte demais seus ressentimentos às pessoas afins e jamais o faça aos estranhos;

4. Resista ao máximo, sem implorar auxílio. Recebendo-o ou não, agradeça sempre;

5. Não obrigue ninguém a nada, mesmo que a posição permita a você tudo exigir. Peça por favor e espere;

6. Fale pouco, interrogue o menos possível e não sofra se não responderem;

7. Sorria, mesmo contrariado em seu modo de ver e sentir, sem criticar seu próximo;

8. Ajude desinteressadamente;

9. Não exagere as felicitações e as condolências;

10. Não use os erros passados como argumento nas discussões presentes. Do passado, escolha o bem e viva o presente como dádiva da Vida.


Fonte: Livro de Luiz Goulart – O Caminho da Paz Interior, 1999 / 5ª edição.

O Grão de Mostarda

1 – Há em nós um mistério. É o maior dos mistérios. É o mistério das sementes. Em nós estão germinando milhares de entidades que nos ajudam e nos prejudicam. Todas elas semeadas pelo mental, através do emocional. E vivemos cultivando sementes de alegria, de tristeza, de rancor, de tolerância. E essas sementes nos tornam um canteiro, como uma horta ou jardim, que precisa de um jardineiro.
Hoje falaremos, não apenas desta infinidade de sementes plantadas por nós, que todos os dias geram algum fruto que nos agrada ou desagrada. Falaremos de um grão especial, citado por Jesus.
Mas por que ele nos fala do grão de mostarda? Ele diz que não conseguimos expulsar os demônios, nossos demônios, isto é, nossa sombra, nossa ignorância, porque não temos fé do tamanho de um grão de mostarda.
O que isto pode significar para nós, que possuímos tantas sementes plantadas em nosso campo emocional, que nem sempre é um jardim, mas uma plantação de espinheiros?


2 – Que semente é essa? Pequenina – e que é mais poderosa do que todas as outras? Na simbologia esotérica é a glândula pineal. Recorremos a H. P. Blavatsky, em seu Glossário Teosófico: “Glândula pineal – Também chamada de “Terceiro Olho”. É uma pequena massa de substância nervosa, cinza-avermelhada, do tamanho de uma ervilha, aderida à parte posterior do terceiro ventrículo do cérebro. É um órgão misterioso, que, em outros tempos, desempenhou papel importantíssimo na economia humana. Durante a terceira Raça e no início da quarta, existiu o Terceiro Olho, órgão principal da espiritualidade no cérebro humano, local do gênio, o “Sésamo” mágico, que, pronunciado pela mente purificada do místico, abre todas as vias da verdade para aquele que sabe usá-lo.”
Agora entendemos que o “grão de mostarda é a glândula pineal. É o nosso santuário. Recuperando sua função espiritual em nosso plano, é que vamos transpor o portal do limite; é por ela que vamos buscar todo o controle sobre o nosso jardim emocional.
“As aves se aninham em seus galhos”, diz Jesus. Isto é, os galhos são os raios de luz, e as aves são os anjos e deuses nos visitando em divinas inspirações. Esta é uma das maiores revelações para a libertação do ser humano.
Vamos nos preparar, portanto, para o estalar da divina semente, abrir caminhos para a Sabedoria, desabrochar em nosso coração o portal da cordialidade, da pacificação, do entendimento entre povos. Basta cada um de nós liberar um fragmento de luz deste grão interior, e estará finalmente aberta a porta para a tão sonhada felicidade! (Maximo Ribera)

Saudoso Instrutor

25 de setembro, aniversário de Luiz Goulart. Para nós, seus discípulos, o saudoso instrutor. Em sua nobreza, não se considerava instrutor, mas um “estafeta”, recadista dos Mestres. Preferimos “Mensageiro”. Quantas vidas se modificaram com sua Mensagem de Paz e Fraternidade.
Sendo sua presença imorredoura entre nós, foi consagrado como Mestre-Poeta, pelo dom de transmitir filosofia com a linguagem da poesia.
A falta que dele sentimos é compensada pela alegria de continuar sua obra. A Corrente da Paz Universal, por ele criada, segue seu roteiro na divulgação dos ensinamentos que conduzirão a humanidade à descoberta do divino mistério oculto no coração do ser humano.
Salve Luiz Goulart!
Paz e Cristo!

O exercício da Paz

Imagem: Luiz Goulart

A Paz que defendemos é produto de nossa íntima convivência com nossa alma e, portanto, paz interior. O primeiro exercício da paz desenvolve-se através da paciência. Sem paciência não podemos ter paz. Qualquer pessoa que já tenha alguma experiência sabe como sofreu por tentar apresar o tempo.

Nunca uma árvore se faz árvore sem o paciente labor da semente. Se essa paciência é transferida para nosso campo moral, dela se forma uma planta interior e merece um cuidado todo especial. Grande parte de nossos sofrimentos vem pela tentativa de antecipar os acontecimentos, o que gera a ansiedade, que é inimiga da paz. A primeira recompensa de quem exercita a paciência é sentir paz interior.

Nessa gradação, chegamos à bem-aventurança. Só então, é que começamos a sentir verdadeiramente o nosso espírito, a nossa comunhão com Deus ou Força Crística que está em nós. É preciso, por isso, cultivar a paciência, que nos dias atuais é talvez o dom mais precioso para cada homem, para cada mulher.

Vemos, assim, que desejar a paz interior de uma hora para outra, sem preparação, é muito difícil. Mais difícil ainda é querer um estado místico de superação de nosso processo humano, instintivo, para atingir a bem-aventurança.

Portanto, o maior exercício para quem deseja manter um estado de paz é o exercício da paciência, iluminada pelo nosso Cristo Interior.

Fonte: Jornal Mensagem de Luiz Goulart – julho de 1983

Fraternidade Universal

Ilustração: Luiz Goulart
Texto: Mensagem de Luiz Goulart
Publicação semanal
Agosto / 1983

Os esforços desprendidos pelos seres superiores, quer através das artes, das ciências, das filosofias e religiões, é sempre desenvolvido no sentido de, pela educação moral e espiritual, conduzir os povos ao nível da Fraternidade. Daí sofrerem tanto os Idealistas! Impõem-se a si mesmos a imensa tarefa de fornecer meios para que os indivíduos tirem as arestas e as imperfeições da alma e do corpo. Pois assim, como só os tijolos iguais se juntam com exatidão, do mesmo modo só a igualdade moral e cultural entre os seres pode formar o Edifício da Fraternidade.

Taxados de loucos ou visionários, os gigantes trabalham, sem esmorecimento. Quantos deram a própria vida? Milhares, por certo. O símbolo do calvário é o ponto áureo da luta em prol da fraternidade. Todos os ensinamentos de Jesus estão calcados no enunciado do Amor Fraterno que precisamos ter para atingir o Reino de Deus – o único Pai da Irmandade composta de tantos filhos quantos são os habitantes da terra.

Baseadas nesses princípios superiores, as grandes luzes há muito vêm lutando para formar o núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, sexo, casta ou crença. Na verdade, só acharemos louvável o nome de “Civilização Cristã” quando a fraternidade for a conduta natural da vida entre os homens.

Celebração

PROPOSTA DE ANIVERSÁRIO

13 de setembro de 2021!
A Corrente da Paz Universal comemora seus 55 anos de fundação. Assista nossa expressão de alegria no “Encontro com a Paz, onde a professora Lúcia Magalhães nos encanta com a palestra “Celebração”.
Neste dia feliz, vamos pensar na Paz Universal, imaginar os povos sincronizados com o Bem, com a Beleza e com a Verdade. Podemos construir um mundo melhor dentro de nós e ampliar esta onda de luz, estendendo nossa irmandade a todos que nos cercam: “MÃO NA MÃO, ALMA N’ALMA, CORAÇÃO NO CORAÇÃO!
Paz e Cristo!

O Prazer de Servir

Ilustração: Luiz Goulart
Texto: Publicação Mensagem de Luiz Goulart Junho/1983

Cada indivíduo que faz sua parte pode ser o indispensável para o bem de todos. Mas a verdade é que fazemos pouco, porque nossa atividade geralmente está condicionada aos limites do lucro pessoal. Daí as suas concepções: o que se faz por prazer e o que se realiza por imposição econômica.

A pergunta comum: “Quanto eu lucro nisso?” Evidencia o interesse pelo ganho material, sem a elevada noção de que todo o trabalho traz lucro moral, mesmo que não recebamos um centavo. É necessário despertar no mundo o “prazer de servir”, de que nos fala Gabriela Mistral – a boa vontade construtiva, que não seja a boa vontade só motivada pelo interesse de ganho. Comumente, pela falta de princípios morais superiores, a má vontade assume o lugar do serviço, quando este não diz respeito ao lucro pessoal. A verdadeira moral, porém, está contida em todos os atos que sirvam ao próximo, mesmo que, aparentemente, à custa de sacrifício. Aparentemente – porque a semente do serviço sempre nos traz colheita luminosa e farta; quando não, a alegria de sentirmos que contribuímos para o bem de outrem.
Se todos servissem sem esperar lucros imediatos, a Terra ofertaria a todos o Bem Universal. Saberíamos que, quando todos dão com Amor, a luz nasce – iluminando vidas.

Autorrealização em Cristo

Trecho de palestra de Luiz Goulart
em 03/07/1982

Nós somos uma lanterna que guarda em si a luz que poderá transformar-se em imensa claridade. Comumente seus vidros estão embaciados pelas nossas dúvidas, completamente escurecidos quando odiamos. Essa lanterna está sendo apagada pelo medo da morte, da solidão – medo que revela a falta da luz interior. Então, começamos a nos sentir mal por nosso próprio descaso.

Essa Partícula Vital que está em nós só funciona bem se temos Paz de Consciência. É, pois, necessária a recapitulação de nossa existência para começarmos a limpar os vidros de nossa lanterna.

Tiremos um dia para perguntar a nós mesmos: “Porque estou mal? Porque fiz isto, aquilo?” Quando essa positividade se faz ampliamos nossa Energia Vital e entramos em harmonia, sentindo a Paz de Cristo.

Quando não contivermos mais a chama, iluminaremos! Isso é Amor! A nossa lanterna tão límpida, por onde passar fará dia. Eis o que vai definir o estado de autorrealização de um indivíduo. O Ser autorrealizado é o que possui absoluta autoconfiança; iluminado, pois seguiu o conselho de Cristo e colocou a lanterna no alto iluminando tudo.

Nada mais vai ter importância para quem está com o Cristo e consegue luz em seu interior. Nada suplanta o poder de amar, e só o Cristo em nós nos permite amar. Só posso amar como meu Mestre se tiver uma partícula dele em minha alma. É Cristo que ama por meu intermédio.

Conhecimento e Verdade

Texto e ilustração:
Luiz Goulart

Disse Jesus:
“Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”
Dois verbos são usados por Jesus:
Destaca conhecer e libertar.
Vê que a libertação de todo ser
Na experiência humana vai estar.

Nunca basta somente conhecer
Se a Verdade total não se fizer.

Pois ela, dentro da alma, vem brilhar
Na luz do Eu, inteira, a esplender.

O Ego colhe, em si, o aprendizado.
Porém se, deste, nada se aproveita,
Desperdiçando o tempo inutilmente,
Toda a trama da luz fica desfeita.

Se a Verdade integral é conhecida,
Toca de Sol o Karrna então vivido
E a gente compreende que o destino
De todo mal se toma redimido.

Só a Verdade tem a oculta essência
De tudo que acontece em nossa vida.
Apenas conhecer é muito pouco
Para aclarar a senda percorrida.

Está, portanto, na Razão Suprema,
Encontrada na oculta divindade,
A presença do Cristo Interior
A porta que nos leva à liberdade.

Liberdade do mundo que maltrata
Sem conhecer a causa da aflição.
Por isso que Jesus nos aconselha
Encontrar na Verdade a redenção.

O sonho dos sonhos

Ilustração: Luiz Goulart
Texto: Maximo Ribera

O ser humano vive entre dois sonhos. Um é o sonho da natureza: aperfeiçoar a estrutura humana; o outro é o sonho da alma: aperfeiçoar a estrutura divina no corpo humano. Os dois fazem parte do mesmo sonho divino, que nos criou para um dia despertarmos no paraíso.
Lembram-se da lenda que diz que estaremos existindo enquanto Deus estiver nos sonhando?
Enquanto isso, sonhamos com a perfeição material. É o sonho da natureza em nós, que muitas vezes se transforma numa acelerada corrida para a ampliação das grandes realizações externas, e o nosso mental básico fica retido num ambiente ilusório, fogos de artifícios, que assistimos passar, se transformar, numa simulação da realidade. Então o sonho se pulveriza em muitos sonhos perdidos, em frustrações e incertezas, mas também muitas alegrias e realizações humanas.
E o sonho da alma? Parece tão distante, não é?, pois a natureza não sabe nada sobre o sonho da alma, e nunca saberá, enquanto matéria física. Mas nós, sim, temos esse sonho em nós. É nossa missão alcançá-lo, desprendendo-nos cada vez mais das ilusões, dos fogos de artifício. Misteriosamente, só damos atenção ao chamamento da alma quando as desilusões do mundo se acumulam num nível insuportável, gerando em uma imensa tristeza.
Exatamente assim que estão as multidões. Tristes. Porque a alma sonha, canta, e não ouvimos sua canção.
Pensemos bem: Vamos experimentar ouvir a canção de nossa alma? É ela que nos revela o sonho do espírito. Imaginemos um triângulo, representando os níveis mentais que podemos viver: Lado esquerdo, sonho da natureza; lado direito, sonho da alma; o vértice superior do triângulo é o sonho divino, o sonho do espírito.
É através da alma, do sentimento, da amorosidade, da paz, que se revela essa ponte para o sonho do espírito. Não precisamos construir o caminho. Ele já está à nossa espera. O trabalho é acreditar em nossa capacidade de sonhar com o divino em nós.
Podemos continuar na vida humana, a usar a tecnologia, a dar a césar o que é de césar, mas não perderemos o fio do sonho real, que continuará depois que o corpo não tiver mais nenhuma serventia para a própria natureza, como corpo humano.
Lembremos que não sonhamos apenas o que está no inconsciente quando dormimos. Há um sonho de eternidade dentro de nós e a alma canta, e canta, e nos embala no berço da evolução, até que os ouvidos do coração decodificam o mistério da canção de liberdade, que nada mais é do que a voz de nosso deus interno, que anuncia finalmente a canção dos céus, o coro dos anjos, dentro de nós.