“EU SOU VIDA SEM LIMITES”

Thich Nhat Hanh (11/OUT/1926 – 22/JAN/2022), poeta, Mestre Zen do budismo, ativista pela paz. Presidiu a Delegação Budista da Paz em Paris, nos debates sobre a paz, durante a guerra do Vietnã, seu país de origem, tendo sido indicado pelo Dr. Martin Luther King Jr. para o Prêmio Nobel da Paz. Autor de inúmeros livros, numa linguagem poética, tornou o budismo inspiração à mente Ocidental.

“Este corpo não sou eu;
Eu não estou apegado a este corpo,
Eu sou vida sem limites,
Eu nunca cheguei a nascer e eu nunca cheguei a morrer.
Logo ali, o vasto oceano e o céu com muitas galáxias,
Todas se manifestam a partir da consciência primordial.
Desde o tempo sem início eu sempre fui livre.
Nascimento e morte são apenas uma porta por onde nós entramos e saímos.
Nascimento e morte são apenas um jogo de esconde-esconde.
Então sorria para mim e pegue a minha mão e me dê adeus.
Amanhã devemos nos encontrar novamente, ou mesmo antes.
Nós devemos sempre nos encontrar novamente na verdadeira fonte,
Sempre nos reencontrando na miríade de caminhos da vida.”

Alvorada de Amor

Ilustração: Luiz Goulart

Aos que levaram canções
De minha alma,
Na distância da separação
Deixo meu canto de amor
E saudade.

Não creio que o tempo
Dissolva marcas de luz e sol
No bordado da amizade.
As flores que nós vimos juntos…
O céu que, em estrelas,
Fitou nossos abraços
As lágrimas de nossos olhos
O sorriso em nossas bocas…
Tudo, na dor e na alegria, formou além
Indissolúveis laços.

É questão de ver o bem
E nunca o mal Pois quem não tem
Acertos e desenganos?
Afinal, todos nós somos humanos.


Importa não guardar
Ressentimento,
Nem fazer ninho de treva
No coração
Sempre malferido,
Quando não se acende
A estrela clara do perdão.

-Olha os momentos belos
Do caminho
Que marcaram nossos passos!
Relembra a rosa,
Esquece o espinho…

Um dia, vamos deixar a Terra.
Será hoje, agora
Ou amanhã?
Não. Não deixemos que o final
Guarde o crepúsculo
Feito de sombra e rancor:
-Nada foi ou é mais importante
Que ver surgir, da separação,
Uma alvorada de amor.

Texto: Pequena antologia poética – 2018 Segunda edição ampliada

Fé e Essencialismo

Texto e ilustração: Luiz Goulart

Ramakrishna, um dos mais importantes mestres hindus, disse com acerto: “As religiões são caminhos, mas os caminhos
não são Deus.” Importava-lhe encontrar Deus no próprio interior do indivíduo. A maior parte dos religiosos sente a Fé como oriunda de sua extroversão devocional. Uma pequena parte de indivíduos, no entanto, já tomou como norma a “introspecção meditativa”, ou busca da presença de Deus, fragmento luminoso que toda criatura possui em seu Eu Vital.

Não nos cabe criticar ou depreciar os religiosos da Fé exteriorizada, cujas preces são dirigidas a uma divindade abstrata, ainda colocada no Céu devocional: há muitos graus e limites perceptivos na busca da espiritualidade. Talvez a Fé exteriorizada faça parte dos exercícios primários que conduzam à descoberta do Eu Vital no próprio indivíduo.

No caminho da Autorrealização consciente acontece uma total mudança de mentalidade, que vê em todo homem ou mulher, a dicotomia Eu-Espírito e Ego-Matéria: no Eu, os atributos da Luz, como representação da liberdade espiritual; no Ego, os da Sombra, como manifestação dos temores e ansiedades religiosas.

Neste caminho busca-se a Essência no Homem, o Espírito ou Energia do Eu. Daí a palavra Essencialismo – o nome do critério psicológico e filosófico que temos adotado em nossas preleções e escritos. Na própria linguagem intuitiva dos povos, segredada pela poesia universal, empresta-se à flor o sentido substancial, quando se trata de suas pétalas, mas a seu perfume dá-se o atributo da essência.

Por isso acreditamos que, dentro da cadeia evolutiva da raça humana, cada vez maior número de pessoas buscará o Céu em si mesmo e não na abstração de tantos caminhos entrechocantes
que cruzam, em nome da Fé, a superfície da Terra.

Fonte: Jornal Mensagem de Luiz Goulart – nº 354 / Outubro 2009

FRATERNIDADE

Fraternidade — uma palavra bela,
Mas nem sempre sentida em seu valor.
Daí somente na alma ser vivida
Quando nasce da pétala do Amor.

Ela é efeito do áureo despertar
Da luz que anima nosso coração
E faz o ser humano reencontrar
Em qualquer companheiro seu irmão.

Pois companheiro é todo navegante
Nesta Nave que rola pelo Espaço,
Ou seja, no Planeta que garante
Tornar-se leve a Vida no abraço,

Sem distinção de raça nem de cor,
Vendo a Família em toda a Humanidade,
Nos momentos alegres ou de dor.

Também faz parte da Fraternidade
Não ter fronteiras feitas de ilusão…
Pois ela vê, inteira, sobre a Terra,
Apenas uma única Nação.

É neste sentimento que se encerra
A sublime lição do Pacifismo
Que apaga das contendas o seu mal.

É a Fraternidade o Idealismo
Transfeito em luz na Paz Universal!

Feliz Ano Novo!

Fonte: Poemas longo de Luiz Goulart – 1997
Ilustração: Miti Goulart

FELIZ NATAL!

O Sonho do Coração

(Máximo Ribera)

CARÊNCIA DE AMOR
É bom ver o quanto o povo fica feliz com a aproximação e a chegada do Natal. Quando temos uma situação mundial de pandemia que ameaça a sobrevivência, a felicidade e a liberdade, o Natal surge como um sinal dos deuses nos apontando o Cristo como salvador desta situação coletiva e individual. Já não importa o consumismo; importa expressar afeto, trocando presentes entre nós. Estamos ávidos por gestos de amor.

DE MÃOS DADAS
O povo se une neste tempo e cria grupos de ajuda para aqueles sem recursos que estão precisando de cesta básica para comemorar o Natal. É o tempo em que aflora o melhor de nós, e a motivação é o nascimento do Cristo. Todos de mãos dadas vibram e suplicam por melhores dias.
BANDEIRA BRANCA
Estão se confraternizando parentes, amigos e, muitas vezes, em campos de batalhas interrompeu-se a monstruosidade da guerra à meia-noite do dia de Natal, para retornar feroz no dia seguinte. Este sinal, esta bandeira branca, poderia ser respeitada sempre, em nosso dia a dia, sem precisarmos do Natal para se fazer a paz na vida diária.
NATAL INTERIOR
O intervalo que criamos em nome do Natal revela que há esperança para nossa humanidade; e ao voltarmos nosso olhar para essa esperança, ela crescerá na certeza de que há dentro de nós, de cada um de nós, um Natal especial individual: há um menino Deus à espera de atenção, à espera de um intervalo no corre-corre do dia a dia, para aflorar dentro de nossa alma e iluminar nossa vida para sempre.
Podemos nos abraçar sim. Se não com os braços, vamos nos abraçar com as asas de sonho do coração!
Feliz Natal, companheiros!
Paz e Cristo!

Palavras de Bahá’u’lláh

Ilustração: Miti Goulart

Bem-aventurado é o lugar, a casa ou o coração, e bem-aventurada a cidade, a montanha, o refúgio, a caverna ou o vale, a terra e o mar, o prado e a ilha, onde se haja feito menção de Deus e celebrado o Seu louvor.

PRECE DA CURA
Teu nome é minha cura, ó meu Deus, e lembrar-me de ti é meu remédio. Tua proximidade é minha esperança, e o amor que te dedico meu companheiro. Tua misericórdia por mim é minha cura e meu socorro, tanto neste mundo como no mundo vindouro. Tu, em verdade, és o Todo-Generoso, o Onisciente, a Suprema Sabedoria.

A MAIOR PAZ VIRÁ
Nós desejamos o bem do mundo e a felicidade das nações … que todas as nações se tornem uma na fé, e que todos os homens sejam como irmãos; que os laços de afeição e união entre os filhos dos homens sejam reforçados, a diversidade das religiões cesse, e as diferenças de raça sejam anuladas … E assim será: essas inúteis discórdias, essas ruidosas guerras desaparecerão e a maior Paz virá.

UNIDADE
Esta palavra sublime é o fruto todo-glorioso da árvore da Sabedoria: de uma só Árvore sois todos vós os frutos, e de um mesmo Ramo as folhas. Que o Homem não se vanglorie pelo amor à sua pátria, e sim pelo amor à sua espécie.

Decálogo da Cordialidade

Ilustração: Luiz Goulart

1. Não tente mudar o temperamento de ninguém;

2. Aprenda a esperar, sem alimentar com a ansiedade o problema existente;

3. Não conte demais seus ressentimentos às pessoas afins e jamais o faça aos estranhos;

4. Resista ao máximo, sem implorar auxílio. Recebendo-o ou não, agradeça sempre;

5. Não obrigue ninguém a nada, mesmo que a posição permita a você tudo exigir. Peça por favor e espere;

6. Fale pouco, interrogue o menos possível e não sofra se não responderem;

7. Sorria, mesmo contrariado em seu modo de ver e sentir, sem criticar seu próximo;

8. Ajude desinteressadamente;

9. Não exagere as felicitações e as condolências;

10. Não use os erros passados como argumento nas discussões presentes. Do passado, escolha o bem e viva o presente como dádiva da Vida.


Fonte: Livro de Luiz Goulart – O Caminho da Paz Interior, 1999 / 5ª edição.

Saudoso Instrutor

25 de setembro, aniversário de Luiz Goulart. Para nós, seus discípulos, o saudoso instrutor. Em sua nobreza, não se considerava instrutor, mas um “estafeta”, recadista dos Mestres. Preferimos “Mensageiro”. Quantas vidas se modificaram com sua Mensagem de Paz e Fraternidade.
Sendo sua presença imorredoura entre nós, foi consagrado como Mestre-Poeta, pelo dom de transmitir filosofia com a linguagem da poesia.
A falta que dele sentimos é compensada pela alegria de continuar sua obra. A Corrente da Paz Universal, por ele criada, segue seu roteiro na divulgação dos ensinamentos que conduzirão a humanidade à descoberta do divino mistério oculto no coração do ser humano.
Salve Luiz Goulart!
Paz e Cristo!

O exercício da Paz

Imagem: Luiz Goulart

A Paz que defendemos é produto de nossa íntima convivência com nossa alma e, portanto, paz interior. O primeiro exercício da paz desenvolve-se através da paciência. Sem paciência não podemos ter paz. Qualquer pessoa que já tenha alguma experiência sabe como sofreu por tentar apresar o tempo.

Nunca uma árvore se faz árvore sem o paciente labor da semente. Se essa paciência é transferida para nosso campo moral, dela se forma uma planta interior e merece um cuidado todo especial. Grande parte de nossos sofrimentos vem pela tentativa de antecipar os acontecimentos, o que gera a ansiedade, que é inimiga da paz. A primeira recompensa de quem exercita a paciência é sentir paz interior.

Nessa gradação, chegamos à bem-aventurança. Só então, é que começamos a sentir verdadeiramente o nosso espírito, a nossa comunhão com Deus ou Força Crística que está em nós. É preciso, por isso, cultivar a paciência, que nos dias atuais é talvez o dom mais precioso para cada homem, para cada mulher.

Vemos, assim, que desejar a paz interior de uma hora para outra, sem preparação, é muito difícil. Mais difícil ainda é querer um estado místico de superação de nosso processo humano, instintivo, para atingir a bem-aventurança.

Portanto, o maior exercício para quem deseja manter um estado de paz é o exercício da paciência, iluminada pelo nosso Cristo Interior.

Fonte: Jornal Mensagem de Luiz Goulart – julho de 1983

Fraternidade Universal

Ilustração: Luiz Goulart
Texto: Mensagem de Luiz Goulart
Publicação semanal
Agosto / 1983

Os esforços desprendidos pelos seres superiores, quer através das artes, das ciências, das filosofias e religiões, é sempre desenvolvido no sentido de, pela educação moral e espiritual, conduzir os povos ao nível da Fraternidade. Daí sofrerem tanto os Idealistas! Impõem-se a si mesmos a imensa tarefa de fornecer meios para que os indivíduos tirem as arestas e as imperfeições da alma e do corpo. Pois assim, como só os tijolos iguais se juntam com exatidão, do mesmo modo só a igualdade moral e cultural entre os seres pode formar o Edifício da Fraternidade.

Taxados de loucos ou visionários, os gigantes trabalham, sem esmorecimento. Quantos deram a própria vida? Milhares, por certo. O símbolo do calvário é o ponto áureo da luta em prol da fraternidade. Todos os ensinamentos de Jesus estão calcados no enunciado do Amor Fraterno que precisamos ter para atingir o Reino de Deus – o único Pai da Irmandade composta de tantos filhos quantos são os habitantes da terra.

Baseadas nesses princípios superiores, as grandes luzes há muito vêm lutando para formar o núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, sexo, casta ou crença. Na verdade, só acharemos louvável o nome de “Civilização Cristã” quando a fraternidade for a conduta natural da vida entre os homens.