Ano Velho

By | 27 de dezembro de 2017

Máximo Ribera

Neste fim de ano,
2017 encerrando sua missão
Como um velho cansado de se expor
Aos comandos do tempo acelerado,
À emergência e sofreguidão imposta
Pelas necessidades humanas,
Dizemos agora: descanse em paz, Ano Velho.
No íntimo de minha alma
Há uma amarga tristeza nessa despedida.
Não ouvi a voz da gratidão:
Muito obrigado, Ano Velho,
Você foi o trilho das grandes crises sociais,
O acolhedor de minhas irreconhecíveis alegrias.
Sou ingrato a esse tempo marcado no calendário,
Cada dia se extinguindo automaticamente
E meus registros armazenados no abandono.
Atropelei a contemplação do infinito,
Que te separou como oferta para mim,
E perdi o compasso do coração.
Nem sei se evoluí, se cresci espiritualmente,
Nem pensei na oportunidade que tive contigo
De mais um ano para eu me tornar
Um digno ser humano.

Nada significa para minha alma
A ingrata e fria despedida,
Sem reconhecer nesse tempo que passou
A semente de melhores tempos.
Muito obrigado, Ano Velho!

One thought on “Ano Velho

  1. José Antônio Silva Villares

    ” Assim como o vento sopra eternamente
    jamais vou esquecer de Vocês ”

    Espero que o meu cartão de Natal e E-mail tenha chegado ai!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *